segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

S-H & LL

imagem
«A sala foi modificada. Os seus livros e as suas fotografias desapareceram, deixando as paredes despidas excepto pela ampliação de um herói da banda-desenhada: o Super-homem inclinando a cabeça enquanto é recriminado por Lois Lane.» J. M. Coetzee, Desgraça (1999)

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Lois Lane

Ryan Sook, daqui


«Quem lhe dera perder a visão de raio X que em tempos tanto invejou! Se ao menos fosse como o Super-Homem, que na presença de Lois Lane se tornava um ser normal!» Carlos Querido, «Real bodies«, Insanus, Lisboa, Abysmo, 2017, p. 68 

sexta-feira, 20 de julho de 2018

esmurrar o Mickey

Paul Murry
«"Há muito mais", disse Austin, "havia um amigo da família que tinha o Rato Mickey tatuado no peito e que pedia ao rapaz para bater na tatuagem, bate com força, com mais força, agora uma esquerda, agora uma direita, mete um crochet, mete um uppercut.» Dinis Machado, O que Diz Molero (1977)

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

António Franco Alexandre, o poeta enquanto Ignatz

George Herriman - imagem
No preâmbulo de uma entrevista já com uns anos, a partir de alguns tópicos previamente enunciados, defende-se que a poesia de António Franco Alexandre «chama a si a fábula de Ignatz, o rato e Krazy Kat, a gata. A imensa distância que se disse sem palavras nem coisas faz do tijolo uma mensagem.» Posto diante do problema, o futuro poeta de Aracne assente: «Bom, o tijolo de Krazy Kat é a mais interessante forma de mensagem na garrafa, não é?» Inimigo Rumor #11, 201, entrevista de Américo António Lindeza Diogo e Pedro Serra.


sexta-feira, 12 de agosto de 2016

a poesia dos quadradinhos #6 - José Luís Costa

«[...] Confesso que subtraí / da dita máquina / umas verbas para comprar // Homens-Aranhas, Incríveis Hulques, até / Superaventuras Marvel. // (Uma superaventura / é uma aventura / que precisa de mais páginas.) [...]

José Luís Costa, «Da Infância - 2. No Juiz da Fome», Da Madragoa a Meca, Lisboa, & etc., 2013

Mark Bagley (2013)
ou
Daddy Q Ball (Fred Quihuis) (2003)

domingo, 24 de janeiro de 2016

jogo de máscaras


Divertidíssimo, começar pelo título, um jogo de máscaras paródico da literatura policial negra / fantástica, pelas mãos de dois grandes nomes da BD franco-belga actual -- ambos já vencedores do Alph-Art do Festival de Angoulême --, Lewis Trondheim (A Mosca, entre outros) e Frank Le Gall (Teodoro Pintainho, entre outros). Eficácia narrativa em economia de meios.

Lewis Trondheim & Frank Le Gall, As Aventuras do Fim do Episódio, tradução de Rui Ricardo, Porto, Associação Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto, 1996.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

«um Zé Carioca»

Zé Carioca, por Paul Murry


«O carioca de hoje é uma declinação barroca do verdadeiro carioca: olheirento, falsamente festivo, mortificado pela obrigação de ser um carioca by the book, um Zé Carioca.»

Bruno Vieira Amaral, «Viver para sempre em Budapeste», Ler #138, 2015