terça-feira, 3 de dezembro de 2013

VROOAP

Este álbum preencheu uma boa parte do meu imaginário infantil. Lembro-me de que ainda estava na primária quando o recebi. A capa, estranha, o piloto de espada na mão em luta com um cavaleiro medieval embuçado e envergando uma cota de malha; a vinheta do frontispício, três bólides subindo uma rampa em direcção a um castelo penumbroso, causava também sensação... Mas as duas primeiras pranchas eram do mais trivial Vaillant: uma panorâmica do circuito de Nurburgring, Michel Vaillant e o inevitável Steve Warson no meio de ases do volante da vida real e o deslumbramento um bocado cabotino de Jean Graton pelo glamour [ler glaimôr, por favor, e não glámúr...] dos circuitos. Salvam-se os carros (o Mercedes descapotável da menina que aparece na última vinheta da prancha 2 justifica-se, como se verá), mais as características onomatopeias dos motores a rugir: VROOAP VROOAP !...

Jean Graton, Michel Vaillant -- Os Cavaleiros de Koenigsfeld [1967], trad. C. rodrigues, Venda Nova, Livraria Bertrand, s.d., pranchas 1-2.

2 comentários:

  1. Por mero acaso, encontrei o seu blogue. Este post, em concreto, recordou-me um outro que postei numa grupo de discussão fechado de BD, no Facebook (o 'BD Passion') . Sem outra intenção que não seja partilhar, aí vai ele. Cumprimentos. https://www.facebook.com/photo.php?fbid=403870126423583&l=9c823c4c8d

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado! Já lá fui, mas não me foi permitido pôr o "like", naturalmente.
      Sem dúvida que, sendo nós miúdos, aquilo ficou bem gravado na nossa memória.
      Saudações cordiais.

      Eliminar